Uso de máscara não causa problemas bucais, mas pode esconder outros problemas nos dentes

Uma das principais mudanças desde que a pandemia do novo coronavírus começou foi o uso constante de máscara. Trata-se de lei e de responsabilidade social, mas o novo acessório gera dúvidas constantes. Uma delas, que precisa ser derrubada urgentemente, é de que a máscara poderia causar problemas bucais. No entanto, muitas pessoas que passam o dia todo de máscara, estão deixando de dar atenção para a saúde dos seus dentes.

O ortodontista Bruno Cerci explica que não há indícios ou estudos que comprovem que o uso de máscara cause problemas bucais. Mas, ele alerta que 90% da população têm ou já tiveram gengivite e periodontite, doenças facilmente preveníveis por uma higiene adequada da boca.

Ortodontia
Outra preocupação, cada vez mais evidente, é que o estresse ocasionado pela pandemia tem refletido na arcada dentária de muitas pessoas, sendo que os efeitos muitas vezes não são vistos devido ao uso constante de máscaras.

A ansiedade e o estresse são fatores que contribuem para o bruxismo, hábito prejudicial e que – segundo dados da Organização Mundial da Saúde, divulgados – atinge 40% da população brasileira.

Trata-se de apertar a mandíbula de forma involuntária, durante o dia ou durante a noite.

De acordo com o ortodontista especializado em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial, Bruno Cerci, o bruxismo tem uma série de sintomas que se agravam caso não sejam tratados.
“Falamos em dor de cabeça, dor no pescoço, dor na mandíbula, desgaste e quebra dos dentes e implantes, alterações no esmalte, no sono e estalos ao abrir e fechar a boca”, explica.

Um dos sinais de alerta para procurar um especialista é acordar com dor nos músculos da mandíbula. Segundo o especialista, o diagnóstico deve ser feito de forma criteriosa. “Envolve conversa com o paciente (anamnese), somada ao exame clínico, histórico médico e avaliação de possíveis causas dos sintomas de acordo com o histórico médico e odontológico, além dos fatores genéticos”, explica.
O tratamento inclui o uso de placas de proteção específicas para evitar o desgaste dos dentes e acompanhamento com especialista.

Outro problema que pode ser ocasionado pelo estresse é o apinhamento dos dentes e a mordida cruzada.
Bruno Cerci explica que os dentes podem mudar de posição para preencher espaços livres. “Isso causa uma mordida diferente, geralmente errada. Outros dentes passam a receber cargas diárias maiores do que deveriam, sofrendo traumas oclusais, ou seja, traumas por causa da oclusão”, conta.

Segundo ele, os traumas podem causar ainda inflamações que, pelo mesmo processo da periodontite, podem levar à perda óssea e, por fim, do dente.

TECNOLOGIA
Na clínica Cerci Ortho, em Curitiba, os pacientes contam com uma tecnologia capaz de realizar o escaneamento intraoral completo do fluxo ortodôntico. O equipamento – chamado iTero – permite mostrar aos pacientes como seus dentes estão se movendo ao longo do tempo e os resultados do tratamento planejado.

“O equipamento possibilita o escaneamento completo para a confecção de placas de bruxismo e, além disso, possui a função Time Lapse que permite acompanhar as mudanças nos dentes e nas gengivas ao longo de todo o período de tratamento”, ressalta o Dr. Bruno.

Recomendações básicas:
– Ficar atento a mordida
– Passar o fio dental pelo menos uma vez ao dia.
– Escovar os dentes três vezes ao dia, por cerca de três minutos, sempre de dois em dois dentes com a escova levemente inclinada para a gengiva.
– Escovar a língua